categorias: Moda Viagens

Brennand deixando arte no chinelo.


Um dos artistas de maior destaque da cultura brasileira, mais propriamente da cultura pernambucana, Francisco Brennand assina a nova edição do modelo Arte Brasileira da Dupé.

O artista mundialmente conhecido pela ousadia nas obras de arte em cerâmica, pintura, ilustração e escultura e pelo seu  ateliê, a antiga Cerâmica São João da Várzea, fundada pelo seu pai em 1917. Esse conjunto, encontrado em ruínas, deu início a um colossal projeto de esculturas cerâmicas e hoje é um grande polo cultural de Recife.

Brennando inova mais uma vez, e em parceria com a Dupé,  desenhou para as sandálias de borracha  três estampas diferentes, nas cores branco, preto e caramelo, inspiradas nas plantas e árvores típicas da mata atlântica, que circundam a Oficina de Cerâmica na Várzea, no bairro da Várzea, Recife – Pernambuco, onde estão expostas diversas obras do artista.

Quando estiver em Recife vale a visita ao oásis de Brennand, recheado de arquitetura, cerâmica e arte…

Brennand define seu espaço assim:

Recordo-me de ter encontrado a velha cerâmica São João em ruínas. Inclusive, cabe salientar que não havia necessidade de um anteprojeto, pois as antigas paredes já indicavam aquilo que devia ser refeito: as ruínas balizavam tudo. (…) Ao mesmo tempo, há a idéia de uma comunidade, à maneira das coletividades de ofício medievais e renascentistas, onde o mestre e os discípulos trabalhavam em conjunto, a serviço de um só desígnio.

Brennand não deixa a arte no chinelo?

categorias: Compras Viagens

Notting Hill é vintage.

Já, faz tempo que quero escrever sobre esse lugar que é encantador…e me fez voltar ao passado.



Notting Hill (London) é tudo aquilo que vimos no filme e mais algumas coisinhas…



Notting Hill é vintage, lindo e parece um cenário.



Aos sábados, acontece uma feirinha de antiguidades que podemos encontrar de tudo.


 

 

É possível encontrar diversos achados, de Burberry ….

 

 

 

….à Versace.

 



O bairro de Londres é uma delicia, para quem ama uma bugiganga vintage …



…ou, para quem simplesmente quer passar pelos cenários do filme Um Lugar Chamado Notting Hill .

Portobelo Road (onde fica a feirinha) é cheio de surpresa, impossível  não parar para ouvir os artistas de rua ou comer alguma bobagem nas barraquinhas de rua.

Tudo com muito estilo…

Notting Hil é um deleite  para os olhos…

 

Fotos: Carol Romano e Rogério Puglia

categorias: Dança Moda Viagens

Mais ballet no figurino

Tô naquelas semanas de ensaio mil, e apresentação dois mil.

E, sempre tento linkar o que tá acontecendo na minha vida com o Alfinetes de Morango.

Hoje eu vou falar pra vocês de um “quesito” super importante na composição de um espetáculo de dança: O figurino.

Graças, que os figurinos pensados e elaborados estão voltando…porque nos anos 90, com a intenção de destacar a movimentação do corpo, e levar o cotidiano para o palco. Os figurinos eram roupas comuns (calça folgada e camiseta) mas as cenas vem se modificando aos poucos, embora vivemos resquícios dos anos 90.

Na minha viagem à Londres fui em um dos lugares mais fascinantes de produção de figurino: Royal Opera House

No Royal Opera House são produzidos por ano duas óperas e dois ballet,  e nisso um MEGA trabalho porque tudo sai dali..

Quando eu falo, tudo incluo cenário, figurinos, adereços, e todas as coisas que envolvem uma super produção.

Mas, eu vou me concentrar nos figurinos, se não o post não ia acabar.

Como acontece nas produções de moda, os figurinos  estão primeiro no croqui.

Depois os tecidos são criados, tingidos, estampados (por uma máquina especial de estamparia), ou ainda bordados..



É nessa salinha, onde os testes de tecido acontecem.

Desde de tingir nos fogões, até criar estampas manuais, bordar..a equipe é responsável por concretizar o tecido que o figurinista pensou para a cena.

Os sapatos e sapatilhas também são criados no Royal, mas em outro setor especializada, o setor de tingimentos, “pinta” as sapatilhas de ponta e outros.

Adereços, da Opera AIDA, são diariamente montados no rosto das cantrices.

Mas, as bailarinas precisam que seus figurinos fiquem perfeitos no corpo(já basta a sapatinha de ponta que machucam, um figurino incomodando não dá).

Para isso, nada como um ajuste personalizado.

Essa profissão, ainda é pouco explorada e é um grande campo de trabalho. Não basta saber criar, o figurino tem que alia-lo à  a concepção das peças de opera, ballet, e etc.

E, ainda aliar esses conhecimentos a funcionalidade dele no palco, tanto para o movimento quanto para as combinações e jogos de luzes.

Muitos fatores que tornam a profissão super interessante.